Natal e Ano Novo por Anderson Pedreira

Publicado em 19/10/2015 às 17h18

Olá, pessoal!

Estou de volta, dessa vez para postar algo que eu planejava escrever desde janeiro deste ano, quando eu, minha esposa e a minha baixinha voltamos de Orlando, onde passamos o Natal e o Ano Novo. Desde então, o tempo foi passando, fiz outros posts e o do Natal não saía, até que a Nely Rezende pediu que alguém escrevesse sobre o tema. Aí não deu para escapar, afinal, um pedido das nossas amigas Nely Rezende eFernanda Ragazzi não pode ser negado!

Vamos, então, à experiência que vivi, passando Natal e Ano Novo em Orlando!

Em posts anteriores, falei sobre vários aspectos dessa nossa última viagem a Orlando, sobre o planejamento, o cruzeiro saindo de Miami, os hotéis, etc. Neste post vou falar sobre o que eu esperava desse período lá, a partir do que li em vários sites brasileiros e americanos, e sobre o que realmente aconteceu, além de algumas dicas para evitar perda de tempo em filas, restaurantes, etc.

Seja em que época for, Orlando faz jus ao apelido de “Terra da Magia”. No Natal e no Ano Novo esse apelido é muito mais perceptível. As cores e sons da decoração dos parques e das ruas, o clima um pouco mais frio e o brilho no olhar de cada um que passa por aqueles portais mostram que a época é diferente! É especial!

Sim, é especial...mas também é o período mais cheio! Cheio não...lotado!!! Parques, outlets, atrações da International Drive (Ripley´s, Titanic, Wonderworks, etc), mercados, postos de gasolina, farmácias...imagine um lugar e, entre os dias 20 de dezembro e 05 de janeiro, ele estará muito mais cheio que o normal!

Para dar apenas um exemplo, fomos ao Magic Kingdom (MK) no dia 26/12, chegando lá às 15 horas, e tivemos que estacionar no Epcot e pegar o Monorail para chegar ao MK, pois o estacionamento do MK estava completamente lotado! E o estacionamento não é pequeno, muito pelo contrário!

Especificamente nos dias 24 e 31 de dezembro, se você não fez reserva pelo My Disney Experience em um dos restaurantes com serviço de mesa do MK ou do EPCOT (Be Our Guest, Cinderella’s Royal Table, Crystal Palace, Akershus, Garden Grill, Biergarten, Les Cellier, Les Chefs de France, etc), nem perca tempo tentando uma mesa e vá direto para os Quick Service!

Sendo MUITO sincero, acho que se deve evitar ir pela primeira vez nesse período, já que, devido à superlotação, não se conseguirá aproveitar tudo que os parques e a cidade oferecem e poderá acabar a viagem frustrado.

Sendo SUPER sincero...se essa for aquela viagem dos sonhos, que não se repetirá nunca mais, se estiver fazendo essa viagem apenas uma vez, se não puder ir novamente... não vá nessa época! Dê preferência a outros períodos, inclusive julho, para aproveitar melhor o que Orlando oferece. A não ser, óbvio, que passar Natal e Ano Novo na Terra da Magia esteja dentro do pacote do sonho de viagem...nesse caso, planeje, relaxe e aproveite!

No entanto, nada disso é motivo para não ir, pelo menos para quem planejar com antecedência cada dia que tiver lá. Para efeito de planejamento, é bom lembrar também que, além de mais cheio, também é o período mais caro do ano!

Depois que se decide onde se hospedar, passagem e quando ir, o aspecto que acho que seja o mais importante é o planejamento do que se vai fazer em cada dia da viagem. Durante Natal e Ano Novo, esse aspecto cresce muito de importância, em virtude de onde se pretende passar esses dias especiais e da correta utilização dos FastPass Disney.

Para decidir onde passaríamos o Natal e o Ano Novo, li diversos sites e blogs nacionais e estrangeiros sobre o assunto, e depois de pesquisar muito, decidimos passar o Natal no Magic Kingdom e o Ano Novo no EPCOT.

A partir daí, começamos o planejamento de cada dia que teríamos na Terra da Magia. Escolhemos quando iríamos a qual parque e quando faríamos compras, além de um dia para fazer o que desse na telha.

Chegamos a Orlando dia 21/12 e, nesse dia, ficamos no entorno do Rosen Inn At Pointe Hotel, já que saímos de Miami e encaramos a viagem de 3,5 horas debaixo de muita chuva e trânsito pesado. Aproveitamos para conhecer o Pointe Orlando, provar (e aprovar) o Pizza Hut que existe ao lado do Rosen Inn, abastecer o frigobar e descansar um pouco para o “ironman” que teríamos pela frente, já que a maratona já havíamos feito antes, no cruzeiro e em Miami.

No dia 22, uma segunda, fomos às compras. Dizem que brasileiros deixam as compras de Natal para a última hora, mas constatei que americanos também...chegamos com o Florida Mall abrindo e, assim, “ticamos” quase toda a lista na parte da manhã. Já havíamos adiantado bastante essa parte em Miami, o que facilitou muito nossa vida. Vimos que o Mall estava começando a encher e, por isso, fomos almoçar no Bucca di Beppo na hora certa! Entramos com várias mesas livres e, dez minutos depois, já havia fila de espera!

Quando saímos do restaurante (excelente comida, por sinal), parecia que o inferno havia se materializado dentro do Florida Mall! Imagine um lugar cheio...multiplique... potencialize por 10...agora você está próximo da imagem que tivemos! Estava completamente lotado!!! Todos os corredores, todas as lojas, praça de alimentação, tudo lotado! Ainda ficamos lá mais por mais duas horas e depois partimos para o WalMart (também bem cheio) e Walgreen’s, seguido por mais uma passada pelo Pizza Hut (ok, ok, somos viciados em pizza, admito).

Saboreando uma deliciosa pizza de brownie, pensei que se o Florida Mall estava daquele jeito, imagine como estariam os Premium Outlets...

Na terça, 23, fomos ao Disney Hollywood Studios (DHS). Chegamos bem cedo, com o parque abrindo, e assim aproveitamos muito o dia! Usamos os fastpass reservados 30 dias antes até as 13 horas, com isso, nos intervalos entre fastpass, fomos a outras atrações com fila normal. Depois que usamos todos os fastpass, conseguimos pegar mais três, nos quiosques! Atrações menos procuradas, mas valeu mesmo assim.

No DHS nós compramos as Magic Bands e a atendente fez o link com os nossos ingressos, com o My Disney Experience e com o Photo Pass, facilitando muito a nossa vida.

Por volta das onze horas o parque ficou cheio, permanecendo assim até a hora de fechar, por isso é importante chegar cedo! Também vi muitas filas nos restaurantes. Como fizemos reserva para o almoço no Fantasmic Dinner Package, ficamos tranquilos quanto a isso. Essa experiência foi realmente muito boa. Já que teríamos que almoçar mesmo, resolvemos incluir na refeição o lugar na área VIP da arquibancada do Fantasmic, aquela área central, bem de frente para o centro do show. Fizemos a reserva em agosto e escolhemos o Mama Melrose’s, um excelente restaurante italiano no qual fomos muito bem atendidos. Isso nos poupou tempo, já que não precisamos chegar cedo para garantir um bom lugar e pudemos continuar rodando pelas atrações do parque.

Aproveitamos o resto da tarde/noite e seguimos para o Fantasmic, em minha opinião um dos dois shows que melhor representam a Disney, junto do Wishes, no MK. Após o show, fomos ver o The Osborne Family Spectacle of Dancing Lights! Muito legal! Retornamos para o hotel, mas antes de chegar ao carro ainda tivemos que encarar a fila do "tram"... muito cheia!

Eis que chega o dia 24/12! O Magic Kingdom era nosso destino! Chegamos bem cedo no Ticket and Transportation Center (TTC), estacionamos o carro e fomos para a estação do monorail, que às 0730 já estava bem cheia. Tão cheia que só conseguimos embarcar na segunda viagem!

O Magic Kingdom é o parque que mais enche no Natal e Ano Novo, chegando a fechar o acesso por algumas horas, quando a lotação máxima é atingida, mesmo que você apresente o ingresso. Tem diversas paradas e shows diferentes dos dias normais, que são repetidos diversas vezes ao dia. Restaurantes lotados e filas grandes, algumas com mais de 3 horas (Space Mountain, Saven Dwarfs Mine Train, encontros com as princesas, Big Thunder Mountain Railroad)!

Mais uma vez ressalto a importância de escolher bem quais atrações e quais horários dos fastpass! Usamos todos até as 14 horas e depois conseguimos pegar mais quatro! E isso no Natal, quando o parque está lotado! Não espere, no entanto, conseguir Space Mountain e Seven Dwarf’s Mine Train, mas vá se divertir na Haunted Mansion e na Pirates of the Caribbean!

Como acordamos e chegamos cedo, a fome também bateu cedo, mas isso é bom! Faz com que você procure um lugar para comer lá pelas 11, 1130, o que evitará a multidão que lota os restaurantes após o meio-dia. Almoçamos no Golden Oak Outpost, em Frontierland. Comida simples, sem muitas opções, mas gostosa.

O que estava cheio na parte da manhã, à tarde ficou lotado! Vi pessoas reclamando porque não estavam conseguindo nem ver o parque direito, quanto mais aproveitar as atrações. Esse é um ponto negativo do Natal no MK. Realmente fica muito cheio! Para quem vai pela primeira vez pode ser frustrante, atá por causa da inexperiência no planejamento.

Curtimos nossa tarde rodando e indo nas atrações que desejamos até que, por volta de 17 horas, bateu um cansaço absurdo e começou a chover! O que fazer??? Resposta óbvia para quem já foi no MK! Era hora de Carousel Of Progress!!! Depois de um descanso de 20 minutos, saímos de lá um pouco mais inteiros e a chuva já tinha passado.

Rodamos um pouco mais, até que chegou a hora do nosso jantar com personagens no The Crystal Palace, reservado para as 20 horas. Juntamos várias vantagens numa atividade só: teríamos nossa Ceia de Natal em um excelente buffet, encontraríamos alguns personagens da Turma do Pooh, não nos estressaríamos procurando um local para comer em meio à multidão, descansaríamos um pouco e poderíamos ver o Wishes das 20 horas com tranquilidade, apesar de não ser o melhor local para isso.

A reserva para o Crystal Palace foi feita em julho e os horários já eram poucos! A reserva abre 180 dias antes da data desejada e acaba rápido para esta época.

O Wishes de Natal é apresentado duas vezes, às 20 horas e às 2345. Por falar em Wishes, chegue muito cedo ao local de onde você deseja assistir ao show, senão vai ter que se contentar em pegar o que sobrar.

Após o Wishes, nos dirigimos para a saída do parque, mas acho que vale a pena ficar mais um pouco e aproveitar até o final...mas tem que ter gás! Obviamente, o monorail estava lotado e havia engarrafamento para sair do estacionamento, mas nada que ofuscasse o brilho no olhar da minha baixinha! Isso apaga qualquer cansaço, qualquer mau humor...

No dia 25 fomos novamente para o DHS, o parque Disney preferido da baixinha. Novamente chegamos bem cedo e tivemos um ótimo dia! Pelos sites especializados, é o melhor parque para ir no dia 25, pois esse é o dia em que os americanos realmente comemoram o Natal, fazendo com que os locais não compareçam em tão grande número e prefiram o MK ou o EPCOT.

Saímos do DHS por volta das 15 horas e fomos direto para Downtown Disney. Rodamos bastante, apesar da lotação. Restaurantes cheios, filas de espera em todos eles, lojas lotadas, estava difícil até de se locomover sem se separar! Mas estava ótimo como sempre, era só ter paciência.

Lá, na World of Disney, minha filha encontrou um pingente do chapéu do feiticeiro do DHS, que seria retirado em janeiro, apenas alguns dias depois. Era a última peça daquele modelo. Eu não sabia disso e apressei a turma, pois já estava na hora da nossa reserva no T-Rex. Como as filas da loja estavam muito grandes, minha filha deixou a peça lá, esperando encontrá-la depois do jantar. Vã ilusão!

Como considerei que a responsabilidade por ela não ter comprado o pingente era minha, praticamente mergulhei numa mesa ENORME, lotada de pingentes de um milhão de modelos. Estava tão focado que uma cast member se aproximou e perguntou o que eu estava procurando. Quando respondi, ela me disse que era impossível eu ter visto a peça lá, porque com a retirada do chapéu do DHS, a corrida por aquele modelo de pingente foi absurda e os próprios cast members não estavam conseguindo achar.

Inconformado, continuei procurando e falando com a cast member em inglês, ela também procurando, até que minha filha, triste por ter perdido o pingente, nos perguntou: “por que vocês estão falando inglês se os dois são brasileiros?”. Olhei para a cast member, ela olhou para mim, e só nesse momento vi a bandeira do Brasil na identificação dela. Caímos na gargalhada, o que serviu para amenizar um pouco a situação, mas realmente não achamos nada. Pedi desculpas à baixinha e seguimos em frente, não sem antes ouvir da cast member que se nós encontrássemos o pingente do chapéu em algum lugar, não deixássemos de levar imediatamente!

Dali voltamos para o hotel para descansar um pouco, mas antes demos aquela passadinha básica no Pizza Hut (já falei que somos viciados em pizza?).

No dia 26 nós acordamos um pouquinho mais tarde, já que tiramos a maior parte do dia para rodar pelas atrações da International Drive. Fomos à exposição do Titanic e ao Ripley’s Believe It or Not. Essas foram as atrações mais tranquilas que encontramos, considerando que nessa época, no ano passado, a Orlando Eye ainda não estava aberta.

Almoçamos no Olive Garden e, por volta de 15 horas, partimos para o MK. Já sabíamos que iríamos encontrar o parque cheio, mas não esperávamos dar de cara com um estacionamento lotado e fechado! Os avisos estavam em letreiros luminosos pelo caminho e os cast members já estavam encaminhando todos para o estacionamento do EPCOT. De lá, pegamos o monorail para o TTC, de onde faríamos a conexão para o MK. Como a fila estava muito cheia, decidimos ir de barco, que demora só um pouquinho mais, mas dá uma emoção diferente, já que você vê o castelo se aproximando aos poucos.

Chegamos ao MK e fizemos apenas as atrações do Fastpass. Aproveitamos para tirar mais algumas fotos, curtimos um pouco mais o parque e nos posicionamos para assistir a Elsa acendendo o castelo e para mais um Wishes!

Apesar do estacionamento estar fechado, não achei o parque tão cheio quanto no dia 24, mas ainda assim estava bem cheio e as filas estavam bem longas.

No dia 27 pela manhã fizemos o check out no Rosen Inn At Pointe e seguimos para o Universal’s Loews Royal Pacific Resort, um dos três hotéis de luxo do complexo Universal. Ele fica na 6300, Hollywood Way. Os outros são o Hard Rock e o Loews Portofino Bay. Como hotéis de luxo, são bem mais caros.

Como viajamos na época do Natal e Ano Novo, a mais cheia do ano inteiro, e como não queríamos perder muito tempo em filas, decidimos pesquisar o valor do Express Pass da Universal, equivalente ao Fast Pass Disney.

Diferente do Disney Fast Pass, o Universal Express Pass é pago por fora do ingresso e não tem hora marcada. Outra desvantagem é que ele não vale para as atrações das áreas da franquia Harry Potter.

O valor do Universal Express Pass varia com a época do ano. O período do Natal e Ano Novo é o mais caro, a 100 dólares por pessoa, por dia e por parque! Ou seja, como fomos em 3 pessoas e passaríamos 3 dias no complexo Universal, além do ingresso, teríamos que pagar mais 300 dólares por dia, o que daria 900 dólares. Isso se pegássemos o Express Pass para apenas um parque por dia! Se quiséssemos para os dois parques, seriam 1800 dólares!

Ao pesquisar alguns sites especializados, vi que o Express Pass é gratuito para os hóspedes dos hotéis de luxo da Universal e que, além dessa vantagem, os hóspedes também têm acesso às áreas Harry Potter (Wizarding World of Harry Potter, no Islands of Adventure, e Diagon Alley, no Universal Studios) uma hora antes do horário previsto para a abertura do parque ao público, o que minimiza o fato do Express Pass não valer para essas áreas.

Feitas as contas, vi que se ficássemos duas diárias no Royal Pacific a conta seria muito mais barata. Valeria muito a pena, também, pois o hotel é muito próximo ao complexo e tem transporte por barco até a CityWalk, além de caminhos muito bem cuidados que chegam na CityWalk exatamente entre a ponte de acesso ao Islands of Adventure e o Jimmy Buffett’s Margaritaville (aquele em frente ao avião).

Outro ponto forte é que você pode utilizar o Express Pass desde a manhã do dia em que fizer o check in, até o fechamento dos parques no dia em que fizer o check out. No dia da entrada, chegue pela manhã que o hotel guarda suas malas até que você retorne do parque para ocupar o quarto. No dia da saída, você faz o check out e o hotel guarda suas malas até o momento em que o parque fechar. Ou seja, eles dão plenas condições para que o benefício do Express Pass seja muito bem aproveitado.

Chegamos ao Royal Pacific às 9 horas e fizemos o check in, que na verdade seria, na prática, a partir de 15 horas. Com isso pudemos ir até os quiosques para confecção do Express Pass e aproveitar os parques, nas filas do Express Pass, a partir de 10 horas. Por volta de 13 horas, quando estávamos almoçando no Bubba Gump Shrimp, recebemos uma ligação do Royal Pacific dizendo que nosso quarto já estava liberado para ocupação assim que retornássemos. Achei esse serviço muito eficiente.

Curtimos o complexo Universal de 27 até 29 de dezembro. Aqui em casa, os parques Universal são os preferidos! Me perdoem os que pensam diferente, mas é nossa opinião! Nos divertimos muito mais na Universal que na Disney!

Foram três dias intensos, nos quais o Express Pass foi um enorme aliado para fugir das filas que chegavam a 4 horas em algumas atrações! Mesmo com o Express Pass, chegamos a esperar 30 minutos para ir na Despicable Me - Minion Mayhem (Meu Malvado Favorito), enquanto que a fila normal era de 3,5 horas. A abertura mais cedo para os hóspedes também ajudou muito a curtir as áreas Harry Potter dos dois parques, mas tem que chegar com parque abrindo, ou seja, atravessar o portão às sete da manhã!

Quando pesquisei sobre Natal e Ano Novo em Orlando, vi que uma das melhores festas de Ano Novo na cidade era a do Citywalk, porém menores de 21 anos não são aceitos! DJs, comida liberada e muita festa!

No dia 29 à noite retornamos para o Rosen Inn At Pointe. Ressalto que fizemos o check out no Royal Pacific às 10 da manhã, mas pudemos aproveitar o Express Pass até o fechamento do parque, às 23 horas!

O dia 30 estava livre para acordar um pouco mais tarde e ficarmos à vontade, rodando por onde e quando tivéssemos vontade. Não conseguimos dormir até muito tarde porque uma criaturinha (brasileiro, por sinal) resolveu ver o que acontece quando o alarme de incêndio é acionado...imaginem o pandemônio! Mas já falei sobre isso no post sobre os hotéis.

Como já tínhamos acordado, resolvemos começar logo o dia. Fomos à CVS, abastecemos o carro e seguimos para a Best Buy. Todos esses locais estavam bem mais cheios que o normal, mas nada desesperador. Demos uma passada na Wonderworks e terminamos o dia no Pointe Orlando.

E chegou o dia 31 de dezembro! Dia de acordar cedo e partir para o EPCOT, para ficar até depois da meia-noite!

O EPCOT tem a segunda maior lotação entre os parques Disney no período. É realmente fantástico, mas as filas para as melhores atrações são gigantescas. Com o passar do dia elas vão aumentando e, às 20 horas do dia 31 de dezembro, a fila para o Test Track era de 4 horas e a do Soarin de 3,5 horas.

Mais uma vez usamos os Fastpass até 13 horas, indo a outras atrações nos intervalos, e deixamos a tarde/noite para rodar com tranquilidade pelo World Showcase.

Como o tempo estava chuvoso, nosso esquema de almoçar cedo não deu certo, porque todos foram para áreas cobertas, inclusive restaurantes, para fugir da água e do frio. Com isso, foi um pouco mais difícil encontrar um lugar, mas acabamos achando o Yorkshire County Fish Shop, no pavilhão da Inglaterra, que tem um delicioso fish’n chips (não supera o do Leaky Cauldron, na Diagon Alley, mas é muito bom!).

Existem vários DJs espalhados pelo World Showcase, principalmente nos pavilhões da Inglaterra, Itália, China e EUA. Achei a festa do pavilhão da Itália a mais animada. Os horários e os locais estão no guia do parque.

Às 1830 horas fomos jantar no Akershus, no pavilhão da Noruega. Fiz a reserva em julho, 180 dias antes do evento. Mais uma vez juntamos algumas coisas: deliciosa ceia de Reveillón, encontro e fotos com as princesas Disney e oportunidade para descansar depois de 12 horas no parque! E o sorrisão no rosto da turma...sensacional!!

No dia 31, o Illuminations também é apresentado duas vezes, às 20 e 2345, e é um pouco diferente do resto do ano. Depois que anoitece a contagem regressiva é projetada na Spaceship Earth (a “bola” característica do EPCOT), possibilitando fotos muito legais.

Como a chuva estava intermitente e não sabíamos se isso poderia afetar os fogos, como vários cast members estavam comentando, apreensivos, devido ao mau tempo, decidimos ver os dois horários. Isso aconteceu conosco na Disney Paris, em julho deste ano, quando os fogos foram cancelados!

Por causa do frio e da chuva, decidi entrar numa das diversas lojas e ver se encontrava um casaco melhor. Enquanto procurava, vi algo que me chamou a atenção: uma mesa ENORME lotada de pingentes!!! Lembram-se do pingente do chapéu do DHS que eu não deixei minha filha comprar e que não encontramos mais? Depois daquilo procuramos em diversas outras lojas, sem sucesso, inclusive naquele mesmo dia, no EPCOT! Pois é...a culpa falou alto e parti feroz para a tal da mesa, esquecendo completamente do casaco e do frio. E fomos recompensados não com um, mas DEZ pingentes do chapéu! Na hora agarramos todos e partimos para o caixa, sorrindo e incrédulos! Na fila, pelo menos 3 meninas nos perguntaram aonde tínhamos encontrado aqueles pingentes e a própria caixa ficou surpresa ao vê-los! Desistir? Jamais!!!

Os fogos foram um espetáculo! A mensagem de Ano Novo e o show em si! Se estiver lá, assista os dois Illuminations! Valem a pena a espera e o cansaço! A diferença é que no segundo existe a contagem regressiva para a meia-noite. E chegue cedo para garantir seu lugar!

No EPCOT, assim como em todos os parques, inclusive Universal, quem estiver nas filas das atrações no momento em que o parque fecha oficialmente, poderá aguardar e passar pela atração, no entanto, ninguém mais será admitido nas filas! Digo isso porque às 23 horas tinha gente nas filas e o horário de fechamento era uma da manhã. Esse pessoal esperou até quase 3 da manhã na fila para passar na atração, mas passou! Quem tentou entrar depois de 1 hora, não conseguiu.

Isso me lembrou de mais algumas dicas:

- Se for alugar armário ou carrinho de bebê, faça isso logo que chegar ao parque, pois eles esgotam! Deixe no armário casacos (esfria, à noite) e capas de chuva.

- Não deixe de levar/comprar baterias portáteis para carregar seus celulares e câmeras. Com certeza, a bateria vai acabar antes da meia-noite ou, na melhor das hipóteses, no meio dos fogos!

- Não se esqueça de anotar e fotografar seu local de estacionamento!

- Pegue o mapa do parque e a programação do dia assim que entrar no parque e se programe para as diversas paradas e eventos especiais do dia!

Terminamos o dia destruídos, molhados e muito felizes. Já era dia 1 de janeiro de 2015!

Levamos quase 40 minutos para sair do estacionamento. No meio do engarrafamento, vi, novamente, aquele brilho no olhar da esposa e da baixinha e concluí que, realmente, valeu o sacrifício! Gostei tanto daquele olhar que, ao virar pra trás para vê-lo novamente na minha filhota, ela já dormia sorrindo, feliz! Não vi o olhar, mas o sorriso me disse tudo...

Espero ter ajudado e um grande abraço para todos!

Enviar comentário

voltar para Relatos de Viagens !!!!

left show tsN fwB|left tsN fwR fsN|left show fwR|b01 bsd c10|||news login fwB tsN fwR tsY b01 c05 bsd|normalcase fsN fwR c10|b01 c05 bsd|login news c05|tsN normalcase fwR c05|b01 normalcase c05 bsd|content-inner||